“A VERDADEIRA DIFICULDADE NÃO ESTÁ EM ACEITAR IDEIAS NOVAS, ESTÁ EM ESCAPAR DAS IDEIAS ANTIGAS”

É um verdadeiro desafio para os consultores influenciar a cabeça dos micros e dos pequenos empresários quanto à capacitação, o planejamento prévio e a gestão empresarial.

Os estudantes e profissionais de administração, de marketing e de ciências contábeis, são os que estão no mercado e irão orientar os empresários; meu trabalho é mudar mentalidades, provocar o conhecimento dos que ainda não estão cauterizados.

Este trabalho é árduo e, muitos não estão dispostos a abraçar esta empreitada, pois exige vencer barreiras e mentes já cauterizadas, ou quando esta cauterização já não vem da própria direção.

O economista inglês John Maynard Keynes, vivido de 1883-1946, o mais importante economista da primeira metade do século XX, causou furor tanto na teoria como na prática econômica.

São dele estas palavras, A verdadeira dificuldade não está em aceitar ideias novas, está em escapar das ideias antigas”, ditas há mais de 70 anos e permanecem vivas até os dias de hoje. O administrador ou o gestor ainda hoje resiste em não abandonar as ideias antigas. Já lemos e ouvimos falar, que empresas investem muito tempo e dinheiro em treinamento, reciclagem gerencial, universidade corporativa, novos modelos de administração, cursos e seminários sobre gestão empresarial, contratam consultorias para implantação de Balanced Scorecard, Planejamento Estratégico, Seis Sigmas, e várias outras ferramentas de gestão.

Depois de todo esse empenho, são poucas as empresas que conseguem dar continuidade ao aprendido ou implantado. As empresas que se empolgaram com essas ferramentas esperando resultados imediatos ou pela resistência dos executivos não conseguiram sequer iniciar o trabalho de levantamento de informações.

As que conseguiram implantar com muita dificuldade, achando que não mais precisariam dos consultores para fazer uma manutenção semestral, abandonaram tão logo esses consultores deixaram a empresa.

Os motivos são vários, poderíamos citar alguns, tais como:

– A divulgação das vantagens e dos benéficos do planejamento não foi bem

  esclarecida.

– O alinhamento de todos os funcionários com o objetivo comum do novo modelo.

– Não houve um comprometimento por parte dos executivos e dos funcionários.

– Esperavam-se resultados imediatos e não a médio e longo prazo.

– O medo de deixar de lado as idéias antigas.

– A falta de visão de futuro dos empresários.

– A resistência em deixar aplicar novos modelos aprendidos nos cursos e seminários.

– O envolvimento diário com as atividades não deixando tempo suficiente para

   aprimoramento.

Outro aspecto importante é que os executivos participam de palestras, cursos, etc. não com a finalidade de buscar novas técnicas, mas para manter o “status”. Em alguns casos também os cursos não atendem as expectativas dos participantes.

Vimos aqui, que pouca coisa se aproveita ou é aplicado do que é aprendido. É uma cultura que precisa ser mudada, temos que aprender com os exemplos de países que deram certo.

Este é o motivo de alguns empresários sobreviventes, agirem de forma arcaica não levando em consideração as modernas técnicas de administração, como também as mudanças rápidas que ocorrem no mercado, nos consumidores e nos produtos; “não conseguem deixar das idéias antigas” como disse Keynes.

Mas, para orientar os empresários, os alunos, futuros assessores destes que ainda resistentes às mudanças, precisam romper fronteiras de mentalidades, conhecer melhor a realidade empresarial, levar mais a prática para a escola, criar laboratórios de trabalho nas faculdades, sugerir uma maior participação das empresas na faculdade, através de vagas para estágios, adotar salas de aulas nas faculdades e universidades

Os alunos deveriam estar motivados a permanecer o maior tempo possível dentro da sala de aula, onde terão a certeza de que receberão o maior número de informações teóricas e principalmente práticas para o bom desempenho de seus trabalhos junto às empresas.

Autor: Cláudio Raza; professor e gestor de negócios – www.claudioraza.com.br e E-mail: c.raza@terra.com.br

Escreva um comentário