AS ORGANIZAÇÕES X O INDIVÍDUO E SEU PROPÓSITO – Patricia Razza

Maslow, psicólogo americano disse que para que o ser humano possa atingir o estado mais desenvolvido de consciência e realizar todo o seu potencial, é preciso descobrir qual o seu verdadeiro propósito na vida e sair em busca dele.

Descobrir o propósito da vida, tarefa nada fácil.

Trazendo este pensamento para o campo prático, as organizações se revelam um dos espaços onde este propósito pode ser revelado. É nas organizações, por intermédio de seus ambientes estruturados, com metas e objetivos que o convite é feito para sua descoberta. A satisfação com o resultado indica que o caminho está correto.

É sabido que o homem encontra-se com problemas e desafios cada vez mais amplos, complexos e mais difíceis de serem resolvidos. Portanto, ter clareza sobre o seu propósito é fundamental para a execução das tarefas diárias.

Dentro de uma visão humanista, a tarefa a ser realizada precisa ter um sentido real para o indivíduo, caso contrário, ele irá carrega-la e não conseguirá realiza-la como se deve para ser parte de um resultado maior onde todos ganhem.

Viktor Frankl em seu livro Em Busca de Sentido, afirma que a busca do indivíduo por um sentido é a motivação primária em sua vida. Tornar-se maestro da própria vida é sentir-se parte do processo criativo, ampliar o espaço pessoal de influência, criando um sentido especial de vida. A maestria pessoal cresce a partir da postura inquisitiva que amplia o autoconhecimento e do estabelecimento de objetivos pessoais.

Objetivo de vida é diferente de propósito de vida. Propósito é a direção e o objetivo é a imagem do futuro desejado. Objetivo sem propósito não passa de uma boa ideia, mas propósito sem objetivo torna-se indefinido e pode não se concretizar.

Os maestros da própria vida assumem um profundo compromisso com a verdade, ou seja, eliminar mecanismos pelos quais se limitem e sejam enganados, impedindo de ver as coisas como realmente são… de expandir a consciência e de aprofundar o conhecimento sobre as estruturas que estão por detrás dos eventos.

O que podemos concluir é que quando as organizações colaboram com este potencial e propósito, o indivíduo torna-se mais motivado e comprometido com o objetivo da organização e com o grupo.

Para finalizar, uma citação de Fernando Pessoa que incentiva a refletir sobre estas questões.

Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, esquecer os caminhos que nos levam sempre aos mesmos lugares; é o tempo da travessia: e, se não ousarmos faze-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos.

Patrícia Razza – consultora em Gestão da Mudança, pedagoga e psicóloga clínica, atualmente cursando pós em psicologia analítica – patricia.razza@gmail.com

Escreva um comentário