CONFLITOS DE GERAÇÕES NA VIDA E NAS ORGANIZAÇÕES

O chamado conflito de gerações é um problema causado pelo choque entre as visões de pessoas que nasceram em épocas distintas e têm sua relação com os relacionamentos, o trabalho e com a vida de forma geral, fortemente influenciada pelo contexto em que viveram.

Essa mudança ao longo dos anos na forma de pensar de cada uma das gerações não impactou apenas o consumo ou resultou em mudanças nas relações sociais ou políticas. Essas mudanças criam alterações profundas nas bases do que entendemos como sociedade e nos conceitos em que ela se fundamenta.

Essa mudança nas bases do que se entende como sociedade pode causar estranhamento para as pessoas mais velhas, afinal das contas: na época deles não era assim. De outro lado, para alguns que se encontram ainda num modelo mental anterior e tomados pela dinâmica da sociedade que faz com que não haja tempo de reflexão sobre tudo o que está acontecendo surge uma dificuldade de se situar e entender o cenário atual. Para outros, surgem oportunidades. Afinal, a curva de difusão da inovação demonstra que alguns aderem mais rápido às novidades, enquanto outros podem ser refratários ou ter dificuldade de acompanhar essa evolução:

Geração Z (idade 15-20)

A geração Z (também chamada de Centennial) já nasceu nesse mundo conectado pelas tecnologias digitais, costumam ser multitarefas, independentes e exigentes com o que consomem e com as funções que desempenham nas empresas, apesar de estarem chegando agora ao mercado de trabalho. Acredita-se que os cargos que a geração Z vai ocupar ainda nem foram criados.

O imediatismo é também uma característica da geração Z, eles querem tudo pra ontem. Além disso, a geração Z apresenta certa dificuldade em socializar fora do ambiente virtual. É seguro dizer que a última coisa que eles querem é passar a vida toda desempenhando a mesma função ou trabalhando para a mesma empresa.

Geração Y (idade 21-34)

Os também conhecidos como Millennials são mais exigentes em relação às funções que eles desempenham e têm menos receio de largar um emprego para fazer algo que realmente o traga satisfação como profissional e como pessoa, o salário é o principal aspecto considerado na hora de escolher por um emprego os valores, estão muito mais focados na experiência do que na aquisição material. Ou seja, eles se preocupam menos em construir um patrimônio, em ter a casa e o carro próprios.

Para a geração Y, o trabalho em equipe é mais importante do que a hierarquia. Além disso, eles estão em uma busca constante por inovação, prefere receber instruções bem específicas sobre o trabalho a ser realizado. Em relação à gestão de metas, o gestor precisa saber que esta geração gosta de receber feedback, mas prefere tomar suas próprias decisões.

A geração Y, também conhecida como geração Internet, estão sempre conectados, pois se desenvolveram em meio à era da informação e avanços tecnológicos. São mais individualistas que as gerações anteriores e tem como principais características, gosto por desafios, dinamismo, pensam na qualificação e possuem mais energia para realizar as tarefas. Essa geração é constituída de indivíduos com capacidade criativa e gosto por desafios. Precisam se sentir motivados no ambiente de trabalho e não hesitam em procurar outra oportunidade se não se notarem reconhecimento, pois preferem adquirir experiência em diferentes áreas de diversas empresas, do que trabalhar anos em uma única empresa.

Geração X (idade 35-49)

A geração X, cresceu no período de Guerra Fria e foi a primeira a experimentar os avanços tecnológicos. Profissionalmente, os indivíduos da geração X não costumam ousar muito. Eles valorizam bastante a busca pela ascensão de cargos na empresa em que trabalham e geralmente ficam muito tempo na mesma organização.

Quem é da geração X prefere não ser gerenciado em todos os detalhes do trabalho. Eles gostam de entender os processos de negócios como um todo. De perfil mais conservador, a geração X é muitas vezes a aposta das empresas para cargos de maior responsabilidade.

Essa geração é a primeira geração a ter um maior preparo acadêmico e experiências internacionais, suas principais características compreendem a ruptura com as gerações anteriores, busca por seus direitos e a escolha de produtos de qualidade. Essa geração foi marcada por acontecimentos políticos e sociais, como, por exemplo, a Guerra Fria, a queda do muro de Berlim e o aparecimento da AIDS.

Baby Boomers (idade 50-64)

Os Baby Boomers recebem esse nome porque são fruto de uma explosão populacional ocorrida logo após o fim da Segunda Guerra Mundial, quando os combatentes, nos Estados Unidos, finalmente puderam voltar para suas casas e constituir uma família.

Quando jovens, essas pessoas valorizavam muito o trabalho e tinham uma forte preocupação em construir um patrimônio e ter uma carreira profissional estável, permanecendo no mesmo emprego por décadas até a aposentadoria. E esse tipo de comportamento que nasceu no EUA acabou se espalhando por diversos países do mundo.

Para essa geração, o tempo de experiência era mais valorizado do que criatividade e a inovação. Isso se deve principalmente ao fato de que, naquela época, a concorrência no mercado de trabalho não era tão acirrada e não havia tanta variedade de profissões como temos hoje em dia.

Essa geração passou por uma transformação cultural onde a ascensão da TV foi um influenciador na alteração do comportamento dos jovens da época. Como principais acontecimentos históricos destacam-se o feminismo, os ideais de liberdade, os movimentos a favor dos negros e homossexuais. No Brasil, os festivais de músicas ganhavam espaço e eram realizados com intuito de expressar o descontentamento devido à repressão e censura da ditadura militar.

Geração Silenciosa (idade 65 anos ou mais)

A geração dos Veteranos ou Tradicionais é constituída por indivíduos que nasceram entre 1925 e 1945. Viveram na época da 2º Guerra Mundial e foram marcados pelas grandes crises econômicas. São mais rígidos e por causa das dificuldades que viveram. Seus principais valores são à família, trabalho e a moral. Essa geração prefere a estabilidade. Muitos já estão aposentados, mas os que continuam trabalhando preferem hierarquias rígidas e passam anos na mesma empresa.

Um dos desafios das empresas é saber combinar e administrar as diferenças, possibilitando assim tornar a diversidade e a variedade de competências fatores de vantagem competitiva para as organizações.

É importante que a empresa saiba retirar o melhor de cada geração, pois não há como classificar uma geração como sendo boa ou ruim, todas possuem valores que somados podem ser de grande valia para a empresa.

Fontes: www.siteware.com.br – Roberta Hallmann (Administradores.com) – www.startupi.com.br

Autor: Claudio Raza: Geração Silenciosa, dos Veteranos ou Tradicionais: www.claudioraza.com.brc.raza@terra.com.br

Escreva um comentário