É ÉTICO TER ÉTICA E MORAL NO BRASIL?

A maioria dos políticos, governantes, magistrados, representantes religiosos e muitas pessoas, está colocando debaixo do tapete as normas de moral, os bons costumes, a ética e aceitando como vantagens os maus exemplos, o individualismo, a mentira, o engodo, a trapaça e outros interesses, em benefícios próprios.

Por outro lado vemos crescer a religiosidade baseada em bons princípios governada pelas regras bíblicas, isto significa que nem tudo está perdido; mas por que, apesar da índole cristã do povo brasileiro não se consegue separar o joio do trigo; por que, apesar de nossa formação voltada ao que é bom, à ajuda ao próximo, a nos condoermos pelo sofrimento alheio, temos a tendência de fazer o que é errado e tirar proveito próprio de tudo que for possível sem medir as conseqüências.

As instituições religiosas falham em transmitir normas morais às famílias e estas aos seus filhos, pois em alguns casos os próprios instrutores religiosos não dão exemplos dignos de serem seguidos.

As comunidades de base da sociedade formam seus “guetos” defendendo-se da exclusão social, criando para seus membros, normas e governos paralelos visando interesses de uma minoria.

As instituições de ensino básico fundamental e médio na sua grande maioria, não conseguem mais transmitir algo atraente e motivador que faça com que os alunos reflitam ou coloquem em prática, pois são frutos, tantos os alunos como os professores de uma sociedade sem base, sem vontade, desmotivada e sem referências.

As instituições de ensino superior, não conseguem da mesma forma, preparar profissionais éticos para o mercado de trabalho, pois estão despreparados, pagam pouco e só visam lucro.

Muitas empresas privadas usam artifícios contábeis, feitos por profissionais não preocupados com a ética, para pagar menos impostos, ou tornar não transparente seus lucros, prejudicando os investidores.

Mas o que significa ética? Conforme “Collins Dictionary” “é o estudo das questões relacionadas ao que é moralmente certo ou errado”, “compromisso com valores duradouros”. Conforme dicionários da língua portuguesa, “parte da filosofia que estuda os valores morais e os princípios ideais da conduta humana, ou conjuntos de princípios morais que se devem observar no exercício de uma profissão”.

A palavra “moral” de acordo com a Encyclopeia Universalis Francesa é: “um sistema de regras que o homem segue (ou deveria seguir) em sua vida pessoal e em sua vida social” e dicionários da língua portuguesa, “tudo que é decente, educativo e instrutivo”.

Está você leitor disposto a reverter este quadro, ou continuar jogando debaixo do tapete, conivente e omisso; não deixe a educação total dos seus filhos aos professores e aos religiosos, talvez a sua conduta ética e moral não seja a mesma deles; não deixe que outros decidam por você; não coloque mais, pessoas desonestas e antiéticas para representá-lo, da mesma forma que você não os colocaria para trabalhar em sua empresa.

Autor: Cláudio Raza; um ético incansável e defensor da moral. www.claudioraza.com.br e  c.raza@terra.com.br

Escreva um comentário