O GOVERNO É O MAIOR SÓCIO DA SUA EMPRESA LEVA 50% DO FATURAMENTO SEM TER COLOCADO NENHUM CAPITAL

O consumidor brasileiro sabe que paga impostos, mas, desconhece o quanto e o que paga; como também imagina que as empresas são sacrificadas pela maior carga tributária do universo.

            Sem dúvida a carga tributária das empresas é uma das maiores do planeta inviabilizando qualquer negócio no país caso não seja bem administrado, pois com essa carga tributária os preços dos produtos e serviços ficam muito altos dificultando as exportações como também a venda para o consumo interno e a concorrência desleal dos produtos importados, que em muitos casos tem mais benefícios do que os fabricados no nosso país.

            A grande maioria dos consumidores desconhece que, as empresas repassam todos os impostos, encargos e contribuições sociais nos preços dos produtos, como também seus lucros e o imposto de renda e a contribuição social desses lucros.

            As empresas têm uma função importante na economia, como também na vida de cada cidadão, pois dão empregos, mas depende do cidadão como consumidor de seus produtos e serviços. Os empresários investem seus recursos próprios nos negócios, mas, esperam um bom retorno desses investimentos.

            O cidadão e consumidor brasileiro além de pagar todos os impostos, tributos, contribuições, taxas e lucros das empresas, paga também como contribuinte os próprios impostos e gastos que seriam que alguns seriam de responsabilidade do “Governo”, tais como: educação, saúde, segurança e outros.

            Em outros países, os impostos sobre o consumo, é baixo; nos Estados Unidos em média o consumidor final paga 6% a 7%, já no Brasil paga-se em média 32% que são; ICMS, IPI, PIS, COFINS e ISS, chamados de impostos sobre as vendas ou impostos indiretos; como dissemos já estão embutidos nos preços de vendas dos produtos.

            Os chamados impostos sobre a renda ou sobre o lucro das empresas, no Brasil a carga é de 29% sobre o Lucro Final das empresas, antes do Imposto de Renda e da Contribuição Social, também embutidos nos preços dos produtos.

            Também as empresas pagam para o INSS como contribuição a taxa de 25,8 % sobre a folha de pagamento, e 8% de FGTS, sobre a mesma folha de pagamento, da mesma maneira embutidos nos preços dos produtos

            Alem disso esse consumidor contribuinte terá mensalmente a retenção de imposto de renda sobre seu salário, que não é renda, pois ainda você tem que pagar a alimentação da família, os remédios, o aluguel, a escola, o convênio médico e outros gastos mais para que a sobra seja uma renda, não da maneira como é feito pela Receita Federal na sua Declaração de Imposto de Renda Anual.

            Com todas essas taxações, sem contar com o IPTU, de seu imóvel ou da empresa e o IPVA e Seguro de seu carro, não sobra quase nada para comprar ou trocar os bens duráveis (carro, geladeira, fogão, micro-ondas, móveis, etc.), sem consumo não tem vendas, e não tem produção e gera desemprego e as empresas fecham ou mudam-se para outros países onde a carga tributária é em média 35% mais baixa que a nossa.

            Para que esse país venha a crescer, por volta de 6% a 7%, primeiramente o “Governo” terá que dar o exemplo, diminuindo os gastos públicos, fazendo uma reforma Administrativa, Tributária e Política.

Autor: Claudio Raza: Contribuinte. www.claudioraza.com.brc.raza@terra.com.br

Escreva um comentário