Principais desafios brasileiros ainda pendentes de soluções

Foram 20 anos de ditadura com informações truncadas sobre o crescimento da economia e da real inflação, censuras e limitações de liberdade, só se sabia o que era de interesse do regime; depois mais 22 anos com governos inexperientes fazendo do povo cobaia para suas teorias e planos econômicos fracassados e nefastos, para autopromoção, usando o dinheiro da população através dos impostos e seqüestro de poupanças de uma vida inteira de trabalho para satisfação do ego dos governantes, parlamentares e pessoas de “confiança” dos governantes.

Nas minhas pesquisas e entendimento, mais de 50% da população brasileira não consegue interpretar o que lê, isto facilita e torna-se um campo fértil para propagar informações faladas com a finalidade de influenciar pessoas ignorantes de leitura.

Também a banalização da violência, corrupção, impunidade, injustiça, cria em nossos filhos e netos um outro conceito, diferente daquele que aprendemos de nossos pais e mestres escolares.

A falta de políticas públicas e investimentos na educação e o neoliberalismo que distancia o Estado da responsabilidade da educação tem causado um flagelo para nossos jovens que estão despreparados para o mercado de trabalho.

As escolas profissionalizantes eram um referencial de preparação para a juventude, hoje nem as empresas privadas querem esta responsabilidade, pois a legislação é confusa e duvidosa e os empresários não querem ariscar.

Os projetos e medidas para melhoria do ensino ficam parados por anos, pois os parlamentares, governantes e ministros da educação que são cargos políticos e não técnicos, com interesses do partido ou dos candidatos que não visam o futuro da nação, mas apenas o benefício que terão nos seus mandatos.

È difícil entender esta postura, porque estes foram instruídos ainda no conceito antigo de moral, lisura, honestidade e princípios, mas, o que aconteceu então? Se você não participa da “política” que está levando o país ao caos ficará fora do esquema ou será considerado bobo.

Voltando somente aos últimos dezesseis anos este país foi “administrado”, se é que se pode chamar isso de administração por pessoas com habilidades políticas e não profissionais.

Este “país do futuro” que acreditamos, só poderá ser realidade, quando houver profissionais competentes, na presidência, nos ministérios, nas assessorias, no legislativo, no judiciário e no executivo, com um “Planejamento Global para no mínimo 30 anos” e com metas anuais que deverão ser seguidas rigorosamente, como acontece com grandes organizações com profissionais qualificados.

Não podemos mais aceitar experiências com o desaquecimento da economia ao máximo em nome do combate à inflação, sem pensar no desemprego e no despreparo de nossa população para alternativas de emprego ou trabalho; isto é falta de planejamento, incompetência e desconhecimento de planejamento a longo prazo.

A falta de planejamento agrícola, num país privilegiado pelo clima, pela fertilidade da terra, pela abundância de água e a população passando fome e sem emprego.

As autoridades responsáveis pelo planejamento da agricultura no país não conseguem orientar, planejar e subsidiar os pequenos e médios agricultores, pois os cargos são políticos e não técnicos.

Não conseguimos alfabetizar uma população que já está envelhecendo e que terá problemas; também não temos planos definidos para nossas crianças onde a evasão escolar é uma das mais altas do mundo.

Existe uma necessidade urgente de implantação de um programa a longo prazo para aberturas de frentes de trabalhos, para a grande massa de trabalhadores sem qualificação e desempregados, que estão com sua dignidade de provedor familiar destruída; e essas frentes de trabalho deveriam fazer parte do “plano macro” que citamos acima (30 anos no mínimo), com reconstrução das ferrovias, aberturas de rodovias, ampliação de portos e aeroportos, para escoamento da produção agrícola, construção de casas populares com tecnologias baratas e disponíveis no mercado e o reaproveitamento dos desperdícios nas construções que gira em torno de 40%.

A informação é muito importante, não a informação deturpada, pois sabendo que o brasileiro pouco lê, divulga-se através de outros meios de comunicação meias verdades, e a primeira é que fica gravada na mente.

Não queremos mais a grife de corrupção, da criminalidade e da ignorância, não queremos que inescrupulosos decidam por nós, tanto na política como na empresa.

Somos um país voltado principalmente para a agricultura, pecuária, avicultura e suinocultura, isto é; o Agronegócio, mas as políticas públicas e os incentivos para favorecer a fixação do homem ao campo são insuficientes e até mesmo inexistentes.

O que nos impede de transformar nosso nordeste em algo produtivo, como já temos exemplos isolados de agriculturas de uvas, mangas e outras frutas, com irrigação dos rios ali existentes? Será que ainda existem coronéis, que impedem o desenvolvimento da região? Até quando esse povo viverá na miséria sem alternativas de sobrevivência?

Os planos ou programas para o Brasil não podem ser de quatro em quatro anos, tem que ser de longo prazo, isento de influências partidárias, independente de quem será o Presidente, evitando desperdícios com obras e projetos parados; nunca nosso país foi administrado por equipes competentes de Administradores, Economistas, Engenheiros, Educadores, Advogados, Ambientalistas, com um só pensamento crescimento sustentável.

Nosso país é tido como o celeiro do mundo, a terra do petroleo, do pré-sal, do etanol, do bio combustivel, o pulmão do mundo, maior reserva de agua potável do planeta, do povo pacífico, com libertade, e finanlmente o país do futuro.

Mas, ainda vemos no nosso país poderosos dominando sobre os mais fracos e famintos, nas carvoarias crianças que deveriam estar nas escolas, mas precisam trabalhar para não morrer de fome, pais dando suas filhas á prostituição por falta de opção ou políticas públicas dos nossos governantes, no sertão pessoas impedidas pelos poderosos de ter agua, comida e trabalho, o tráfico de drogas e o contrabando, dando emprego e dominando, pois a ausencia de governo cria um governo paralelo.

Todo início de ano mães fazendo filas nas escolas para garantir vagas e educação para seus filhos o que deveria ser o contrário sobrando vagas, professores despreparados por falta de políticas públicas de apoio e treinamento.

Quanto aos impostos a carga tributária é a maior do mundo inviabilizando qualquer negócio e a cada governo sobe mais e mais, esses recursos são mal administrados e até mesmo jogado fora com obras inacabadas, propinas, corrupção em benefício de poucos.

Já imaginou se nossos governantes abrissem frentes de trabalho, tais como manutenção e reparos, não remendos das rodovias nacionais, construção e ampliações de portos, aeroportos, presídios de segurança máxima, utilizando os próprios presidiários com redução de penas.

Também se nossos governantes não esperando acontecer, “Nas escolas, nas ruas campos, construções somos todos soldados armados (de pás, martelos, colheres de pedreiros, lapis, canetas e uma vontade imensa de trabalhar para mudar) … e cantando e seguindo a canção somos todos iguais braços dados ou não”(Geraldo Vandré); convocar e treinar pessoas para o futuro próximo na contrução de postos de saúde, novas escolas técnicas profissionalizantes, hospitais públicos, etc..

Com essas pequenas atitudes iriamos resolver em grande parte o desemprego nas classes despreparadas e menos favorecidas, iriamos criar outra situação e não a que já estamos encontrando, falta de qualificação profissional para preencher as vagas existentes, ou importar mão de obra qualificada de outros países.

Em 2014 teremos a Copa do Mundo, em 2016 as Olimpíadas, o pré-sal já está aí e exigindo profissionais qualificados, o crescimento das usinas de combustíveis, o turismo brasileiro sem projetos e infra-estrutura hoteleira para atrair turistas que será a grande fonte de renda brasileira, mas e os profissionais que utilizaremos estarão preparados, tais como, cosinheiros, copeiros, arrumadeiras, gerentes, guias turisticos, outros profissionais da culinária internacional?

Infelizmente não conseguimos pensar e planejar a médio e a longo prazo, só pensamos no dia de hoje, é uma cultura nacional que precisa ser mudada.

Vamos citar 10 (dez) sugestões que talvez para alguns pareça utopia:

1 – Mudança no sistema de ensino fundamental (1a a 8a série); deverá ter uma carga horária maior, para incluir matérias teóricas, práticas e de incentivo ao objetivo futuro. Logicamente os professores também deverão ser reciclados e treinados para esta mudança, onde haverá um crescimento de emprego e um interesse maior na carreira.

2 – Abertura de novos cursos técnicos profissionalizantes gratuitos após o termino da 8a. série voltada para agricultura, pecuária, suinocultura, avicultura e outros, com aproveitamento dos formados em veterinária, agronomia e outros, que devido à falta de incentivo do governo estão trabalhando como balconistas em casas agropecuárias no interior dos estados brasileiros.

3 – Preparação de infra-estrutura e apoio ao turismo; este é o país com locais turísticos mais belos do planeta e por falta de recursos e visão de futuro está relegado ao ostracismo, á exclusão. A infra-estrutura ao turismo, além da conservação dos locais, inclui hotéis com qualidade internacionais e profissionais de apoio, como gerentes da rede hoteleira, guias turísticos, cozinheiras, copeiras, camareiras, garçons, recepcionistas, etc., isso fará com que se crie ao redor uma série de economia e comercio de apoio, como transporte, fornecimento de frutas, verduras, doces caseiros, artesanato, etc.

4 – Utilização da infra-estrutura do alistamento ou serviço militar, para os homens e das zonas eleitorais para as mulheres, com a finalidade de identificar e preparar profissionalmente aqueles que ainda não se decidiram por nenhuma profissão. Usar melhora mão de obra do serviço militar em serviços para a comunidade, como construção e ajuda em hospitais regionais, postos de saúde e creches.

5 – Programa sério de apoio ao campo; com assistência técnica, financiamento e controle dos investimentos, garantia e colocação das safras agrícolas através de cooperativas para os pequenos produtores.

6 – Programa de apoio e incentivo ás exportações, reduzindo a burocracia, através de cooperativas de exportações, selecionando os países e orientando quais produtos poderiam ser exportados para não se desperdiçar esforços e produtos.

7 – Mudança no sistema de saúde e valorização da mão de obra idosa; com a sugestão de redução de gastos públicos citados no item 9, poderá ser reestruturado o sistema de saúde com otimização e ampliação dos postos de saúde, postos de atendimento do INSS, incluindo consultas médicas, construção de mais hospitais regionais, utilização e treinamento de voluntários aposentados que queiram colaborar preenchendo o seu tempo ocioso com coisas mais úteis. Para os estudantes de medicina, farmácia e odontologia os estágios seriam obrigatórios nos postos de saúde, creches e hospitais regionais.

8 – Encontrar um sistema de governo, talvez ainda desconhecido, com ajuda das entidades de classes empresariais, profissionais e comunitárias, discutindo e colocando as prioridades nos vários setores onde as cabeças pensantes qualificadas deste país formariam comissões sem remuneração de soluções dos problemas brasileiros, nos municípios, nos estados e na federação como um todo.

9 – Reforma política com redução drástica do número de vereadores, deputados estaduais e federais, senadores, com todas as despesas e gastos dos mesmos. As prioridades serão dadas pelas comissões citadas no item 8 e votadas pelos parlamentares.

10 – Melhorar a qualificação e capacitação dos parlamentares:
a) Vereadores: só com ensino fundamental completo (8a. série), sem processos ou acusações civis ou criminais.
b) Deputados: somente com curso superior e da mesma forma irrepreensíveis.
c) Governadores e Senadores: também com curso superior e já ter exercido mandato completo de deputado.
d) Presidente e vice: com curso superior completo, ter sido deputado ou senador.

Queremos sim, virar nossa própria mesa, voltar às escolas, não deixar os Estados Unidos ganhar a corrida do álcool, não nos deixar influenciar por estadistas vizinhos mal intencionados, não nos iludirmos por falsas promessas, queremos sim reagir a toda influência maléfica e levar a sério este país.

Autor: Claudio Raza – consultor c.raza@terra.com.br

Tags:

*Postado Por: Claudio Raza

Um Comentário to “Principais desafios brasileiros ainda pendentes de soluções”

  1. Really impressed! Things are very, very clear, open is a description of the problem. It has the information.

    janeiro 16, 2012 at 8:04 am Responder

Comentários, Dúvidas e Sugestões