UM PAIS DE DIRIGENTES MEDÍOCRES E CORRUPTOS E UM POVO ANESTESIADO

Embora estejamos passando mais uma vez por um momento de crise entre políticos, que ainda são medíocres e corruptos, o Brasil ainda apresenta uma economia forte, mas com uma péssima infraestrutura para escoamento de suas safras, como estradas, portos, ferrovias e aeroportos; infelizmente a mediocridade impera no meio governamental, onde não se acordou para a necessidade de cortar esse país de norte a sul e de leste a oeste, com ferrovias e a expansão dos portos, que além de dar emprego dará um impulso no crescimento do país.

O país é um grande produtor e exportador de mercadorias de diversos tipos, principalmente commodities minerais, agrícolas e manufaturados. As áreas de agricultura, indústria e serviços são bem desenvolvidas e encontram-se, atualmente, em bom momento de expansão, como vemos abaixo:

O PIB de 2015 (Produto Interno Bruto): R$ 5,904 trilhões ou US$ 1,53 trilhão, se não houvesse tanta corrupção e incompetência poderíamos estar em situação bem melhor.

A Evolução do PIB nos últimos anos: 1,3% (2001); 3,1% (2002); 1,2% (2003); 5,7% (2004); 3,1% (2005); 4% (2006); 6% (2007); 5% (2008); – 0,2% (2009); 7,6% (2010); 3,9% (2011); 1% (2012); 2,5% (2013); 0,1% (2014); -3,8% (2015).

Nota-se que a queda do PIB dá-se a partir 2011, devido a mudanças de políticas econômicas no governo Dilma e com o aparecimento das ações corruptas de seus ministros e assessores.

A Taxa de desemprego começa a se agravar e nada é feito; 11,5% (taxa média anual de 2016) / 12% (no 4º trimestre de 2016) – 12,3 milhões de desempregados.

A Taxa básica de Juros do Banco Central (SELIC): 12,25% ao ano (referência: 23 de fevereiro de 2017), com tendência a baixar mais para melhorar os investimentos nos negócios.

O Salário Mínimo Nacional: R$ 937,00 (a partir de 1º de janeiro de 2017).

A Dívida pública federal em valores (dívida interna + externa): R$ 3,112 trilhões (em dezembro de 2016) – crescimento de 11,4 % em relação ao mesmo mês do ano anterior; que representa aproximadamente 60% do PIB.

As Contas do Governo Federal (Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social): déficit de R$ 154,255 bilhões (em 2016) – representa 2,4% do PIB.

As Reservas internacionais: US$ 375,4 bilhões (em outubro de 2016), ainda bem que os políticos não roubaram nossas reservas, mas não cresceu.

A Queda na Produção industrial de -6,6% (em 2016) em relação ao ano anterior, devido as políticas econômicas erradas, alta carga tributária e a insegurança e a falta de credibilidade dos governantes.

A Arrecadação federal (impostos e tributos recolhidos): R$ 1,289 trilhão (após abatimento da inflação, IPCA) no ano de 2016 – queda de 2,97% em relação ao ano anterior.

A balança de pagamento entre exportações e importações, foi favorável, poderia ser melhor ainda caso as Relações Exteriores fossem mais inteligentes e não taganhas.
Exportações: US$ 185,244 bilhões (2016) – queda de 10,1% em relação ao ano anterior.
Importações: US$ 137,552 bilhões (2016) – queda de 20% em relação ao ano anterior.
Saldo da balança comercial (2016): Superávit de US$ 47,692 bilhões (R$ 156,1 bilhões).

Países que o Brasil mais importou (2016): China, Estados Unidos, Alemanha, Argentina e Coreia do Sul.

Países que o Brasil mais exportou (2016): China, Estados Unidos, Argentina, Holanda, Alemanha e Japão

Principais produtos exportados pelo Brasil (2016): minério de ferro, ferro fundido e aço; óleos brutos de petróleo; soja e derivados; automóveis; açúcar de cana; aviões; carne bovina; café e carne de frango.

Principais produtos importados pelo Brasil (2016): petróleo bruto; circuitos eletrônicos; transmissores/receptores; peças para veículos, medicamentos; automóveis, óleos combustíveis; gás natural, equipamentos elétricos e motores para aviação.

Tipos de energia consumida no Brasil (dados de 2014):
- Petróleo e derivados: 37,6%
- Hidráulica: 14,4%
- Gás natural: 10,1%
- Carvão Mineral: 5%
- Biomassa: 21,3%
- Lenha: 9,5%
- Nuclear: 1,4%
- Eólica: 0,6%

Principais produtos agrícolas produzidos: café, laranja, cana-de-açúcar (produção de açúcar e álcool), soja, tabaco, milho, mate.

Principais produtos da pecuária: carne bovina, carne de frango, carne suína

Principais minérios produzidos: ferro, alumínio, manganês, magnesita e estanho.

Principais setores de serviços: telecomunicações, transporte rodoviário, técnico-profissionais prestados à empresas, transporte de cargas, limpeza predial e domiciliar, informática, transportes aéreos e alimentação.

Principais setores industriais: alimentos e bebidas, produtos químicos, veículos, combustíveis, produtos metalúrgicos básicos, máquinas e equipamentos, produtos de plástico e borracha, eletrônicos e produtos de papel e celulose.

Com esse volume de negócios e a extensão territorial de nosso país, jamais poderíamos ter governantes e políticos como tivemos, sem cultura, despreparados, populistas e com tendências socialistas comunistas.

Nossa população também é culpada, mas por falta de políticas públicas voltadas a educação e cultura e o despreparo e vontade dos jovens, nosso futuro está comprometido quanto a pessoas capacitadas para a direção do país.

Autor: Claudio Raza – Economista e Prof. Ensino Superior – c.raza@terra.com.br

Fontes:
• IBGE, Ministério de Minas e Energias, Banco Mundial, e MDIC (Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços).
• http://www.suapesquisa.com/geografia/economia_brasileira.htm

*Postado Por: Claudio Raza

Ainda sem comentários.

Comentários, Dúvidas e Sugestões